Grandes Frases Grandes Livros: O Nome da Rosa, notas sobre o Amor

” Ela me beijou com os beijos de sua boca, e os seus amores foram mais deliciosos do que o vinho e ao olfato eram deliciosos os seus perfumes, e era belo o seu pescoço entre as pérolas e suas faces entre os pingentes, como és bela amada minha, como és bela, os teus olhos são pombas (eu dizia),

e deixa-me ver a tua face, deixa-me ouvir a tua voz, pois a tua voz é harmoniosa e a tua face encantadora, deixaste-me louco de amor , deixaste-me louco com um olhar teu, com um único adereço de teu pescoço, favo gotejante são os teus lábios, leite e mel são a tua língua, o perfume do teu hálito é como o dos pomos, os teus seios em cachos, os teus seios como cachos de uva, o teu palato um vinho precioso que atinge diretamente o meu amor e flui nos lábios e nos dentes…

Fonte do jardim, nardo e açafrão, canela e cinamomo, mirra e aloé, eu comia o meu favo e o meu mel, bebia o meu vinho e o meu leite, quem era ela que se erguia como a aurora, bela como a lua, fúlgida como o sol, terrível como colunas vexilárias? ”

 

“Do único amor terreno de minha vida não sabia, e nunca soube, o nome.”

– Umberto Eco, em “O nome da Rosa”.

 

Anúncios

Herman Hesse: esse mundo de mentes apagadas 

O que existe hoje não é comunidade, é simplesmente rebanho.

Os homens se unem porque têm medo uns dos outros, e cada um se refugia entre seus iguais: rebanho de patrões, rebanho de operários, rebanho de intelectuais…

E por que têm medo? Só se tem medo quando não se está de acordo consigo mesmo.

-Herman Hesse no livro Demian

Blade Runner – Trailer dos anos 40

 

Esse trailer reimagina o filme Blade Runner como um autêntico filme Noir dos anos 40.

Já abordei minha paixão sobre esse filme neste post, onde falo das diferenças entre o filme e o livro e explico qual é o melhor na minha opinião.

O lindo monólogo das lágrimas na chuva pode ser visto aqui.

Guia Rápido do Blog: Sartre, Camus e o Existencialismo.

Na seção Guia Rápido do Blog, coloco links agregados por tema para facilitar a viagem do amigo leitor pelo Opinião Central.

Já fiz o Guia Rápido Blog: Explicando os Conceitos e sigo agora com alguns posts dedicados ao existencialismo do filósofo Jean Paul Sartre, um homem cujo pensamento foi um divisor de águas nas minhas leituras e o absurdismo de Albert Camus.

  1. O Existencialismo de Sartre e o Sentido da Vida
  2. Explicando os Conceitos: A Existência Precede a Essência
  3. O Existencialismo e as Limitações da Liberdade
  4. Sartre e a Desumanidade
  5. Sartre: um ateu que deseja ser Deus
  6. Albert Camus: o existencialismo no front de guerra
  7. Albert Camus e o mito de Sísifo
  8. Albert Camus e o Absurdo
  9. Camus: diferenças entre a Peste e o Estrangeiro

 

(…) Amo ou venero poucas pessoas. Por todo o resto, tenho vergonha da minha indiferença. Mas aqueles que amo, nada jamais conseguirá fazer com que eu deixe de amá-los, nem eu próprio e principalmente nem eles mesmos. São coisas que levei muito tempo para aprender; agora já sei.

– Albert Camus, em “O Primeiro Homem”