Hunter Thompson: viva sua vida e faça sua própria escolha


tumblr_l4bn1m5E671qaejbao1_400 (1)

Hunter Thompson foi o pai do jornalismo gonzo. Ou seja, matérias onde o jornalista e o personagem da matéria são o mesmo, descrevendo as aventuras e desventuras de seu narrador nas mais estranhas, bizarras, perigosas,  escatológicas e mesmo criminosas situações.

Problemático, filho de pais alcoólatras, foi preso jovem por roubo e recebeu como parte da pena o alistamento militar, uma condição que marcaria toda sua vida em contestação à autoridade.

Seu primeiro livro de sucesso ainda nos anos 60 foi “Hell´s Angels – Medo e Delírio” , descrevendo o ano em que viveu com a gangue de motociclistas dos Hell´s Angels e seus crimes, rixas, conflitos com a policia e estilo de vida desregrado.

Anos depois escreveria o  emblemático “Medo e Delirio em Las Vegas” descrevendo em detalhes seu mergulho na sordidez da cidade, a prostituição, os barões criminosos do jogo e seu caminho pessoal e sem fim nas drogas e na bebida.

hells-angels-hunter-s-thompson1 Medo_e_delirio_em_LA

Sujeito intratável, decadente, arruaceiro, do tipo que é melhor manter distância. Mas escrevia bem feito o diabo!

De sua máquina de escrever saíram clássicos. Viveu a vida como quis. Nunca aceitou que as circunstâncias ditassem suas escolhas. Ao contrário, de suas escolhas conseguiu moldar sua vida (para o bem e para o mal).

Se matou em 2005, com um tiro de espingarda na cabeça. Sofria de depressão.

  

Documentário sobre Thompson

 

Mas no inicio de carreira, um jovem  Thompson  menos deprimido e menos desencantado com a vida, escreveu uma resposta para uma carta recebida de um amigo. 

Vale a pena para pensar.

Thompson: “ Dar um conselho para um homem que pergunta o que fazer com sua vida é alguma coisa muito próxima da egomania. Presumir que se possa colocar um homem na direção correta e em seu objetivo final – apontar na direção CORRETA. É algo que apenas um tolo assumiria fazer.

Ser ou não ser: eis a questão. Será mais nobre suportar na mente as flechadas da trágica fortuna, ou tomar armas contra um mar de obstáculos e, enfrentando-os, vencer? 

E sim, essa É a questão: flutuar e ser levado pela maré ou nadar em direção a um objetivo. É uma escolha que todos nós devemos fazer consciente ou inconscientemente ao menos uma vez em nossas vidas.

Tão poucas pessoas entendem isso! Pense em qualquer decisão que você já tenha feito que tenha tido influência em seu futuro: eu posso estar enganado, mas eu não vejo como isso pode ser outra coisa além de uma escolha, mesmo que indireta – entre essas duas coisas que eu mencionei: flutuar ou nadar.

hunterthompson-gun

A  resposta – e de certa forma, a tragédia da vida – é que nós procuramos entender o objetivo e não o homem.

Nós estabelecemos um objetivo que exige de nós certas coisas: e nós as fazemos. Nós nos adaptamos às exigências de um conceito que NÃO PODE ser válido. Quando você era mais jovem, digamos que você queria ser um bombeiro. Eu tenho uma razoável certeza que você não quer mais ser um bombeiro. Por que? Porque sua perspectiva se modificou. Não foi o bombeiro que mudou: foi você.

Todo homem é a soma de suas reações às experiências. Enquanto suas experiências diferem e se multiplicam, você se torna um homem diferente e, então, sua perspectiva se modifica. E continua assim para sempre. Toda reação é um processo de aprendizado: cada experiência significativa altera sua perspectiva.

Então, não seria tolo ajustar nossas vidas de acordo com as demandas de objetivos que nós vemos de diferentes ângulos a cada dia? Como podemos esperar atingir qualquer coisa que não seja uma neurose galopante?

A  resposta deveria ser não lidar com objetivos de qualquer tipo, ou ao menos com objetivos tangíveis. Gastaria resmas de papel para desenvolver esse assunto inteiramente. Deus sabe quantos livros foram escritos sobre “o sentido da vida” e esse tipo de coisa, e Deus sabe quantas pessoas se dedicaram ao assunto (eu uso o termo ‘Deus sabe…” apenas como uma expressão). Não há muito sentido em tentar entregar a resposta para você; porque eu sou o primeiro a admitir minha absoluta falta de qualificações para reduzir o sentido da vida em um ou dois parágrafos.

hunter_s_thompson_1449481c

Colocar nossa fé em objetivos tangíveis seria, na melhor das hipóteses, pouco sábio.

Nós não nos esforçamos para sermos bombeiros, ou banqueiros, ou policiais ou doutores. NÓS LUTAMOS PARA SERMOS NÓS MESMOS.

Mas não me entenda mal. Eu não quero dizer que nós não possamos SER bombeiros, banqueiros ou doutores – mas sim que nós devemos adequar esses objetivos em conformidade com o indivíduo; ao invés de fazer o individuo se adequar ao objetivo.

Em cada homem, hereditariedade e meio se combinaram para produzir uma criatura de certas habilidades e desejos – incluindo uma profunda necessidade  de agir de forma que sua vida TENHA SENTIDO. Um homem tem que SER alguma coisa: ele tem que ter significado.

rum

É assim que eu vejo: um homem deve escolher um caminho que permita que suas habilidades funcionem no máximo de sua eficiência em direção à gratificação de seus desejos.

Ao fazer isso, ele está preenchendo uma necessidade (dando a ele mesmo identidade ao funcionar em um padrão em direção a um objetivo designado), evitando a frustração de seu potencial (escolhendo um caminho que não coloque limites ao seu autodesenvolvimento) e evitando o terror de ver seu objetivo fraquejar ou perder o charme à medida que  se aproxima. Ao invés de se contorcer  para atingir as demandas do que ele procura, ele forçou seu objetivo para se adequar às suas habilidades e desejos.

Em resumo, ele não dedicou sua vida para alcançar um objetivo pré-definido. Ao contrário, escolheu um modo de vida que ele SABE que irá apreciar. O objetivo é absolutamente secundário: é o agir em direção a esse  objetivo que é importante.

Parece até ridículo ter que falar que um homem PRECISA agir de uma forma que seja da sua própria escolha. Porque permitir que outro homem defina seus próprios objetivos é abrir mão de um dos aspectos mais significativos da vida – o ato definitivo que transforma um homem em um indivíduo.

Um homem que atrasa SUA ESCOLHA, a verá inevitavelmente feita pelas circunstâncias. Logo, se hoje você se coloca entre os desencantados, então você não tem outra escolha a não ser aceitar as coisas como elas são; ou então buscar seriamente outra coisa.

tumblr_inline_nc0bj3wEAC1qb0ozi

Mas cuidado ao buscar por objetivos! Busque por um estilo de vida. Decida como você quer viver e então veja o que você pode fazer para ganhar a vida DENTRO desse estilo de vida.

Mas você diz: “Eu não sei onde procurar. Eu não sei o que procurar.”

E aí está a encruzilhada: vale a pena abandonar o que eu já tenho para procurar por outra coisa melhor? Eu não sei. Vale a pena? Quem poderia tomar essa decisão além de você?

Mas mesmo se decidindo por procurar, você já andou um longo caminho no próprio ato de decidir.

Eu não estou tentando te colocar “na estrada” em busca de um Valhalla, mas apenas mostrando que não é necessário aceitar as escolhas que te foram dadas pela vida.

Existe mais do que isso. Ninguém é obrigado a fazer algo que não deseja pelo resto de sua vida.”

 

Anúncios

Gostou? Tem uma opinião diferente? Fale conosco e deixe seu feedback

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s