Narcisos de ontem e de hoje

Anúncios

Cartas de Van Gogh

“Meu plano não é para me poupar, não é para evitar uma série de dificuldades e emoções. Para mim é indiferente se a minha vida será longa ou curta.

Estou preocupado apenas com o mundo, tenho certa obrigação ou dever depois de percorrer o mundo por 30 anos, quero deixar uma lembrança de gratidão na forma de pintura ou desenho.”

– Vincent Van Gogh em carta a seu irmão Theo

O Surrealismo de Dalí nas ilustrações de Dom Quixote

375px-Don_Quijote_and_Sancho_Panza

Dom Quixote é uma dessas obras clássicas da literatura sempre presente nas listas dos livros mais importantes dos últimos séculos. Em lingua espanhola, é sem dúvida a obra mais icônica e uma das primeiras escritas na lingua castelhana moderna.

É extremamente conhecida a história de Cervantes parodiando os romances de cavalaria na figura do fidalgo idealista que enlouquece após a leitura de tantos livros de aventura e parte para viver sua própria cota de romances; lutando contra moinhos que enxerga como gigantes e vivendo em um mundo de idéias medievais, batendo-se contra uma dura realidade que entra na Era Moderna. 

As desventuras de Dom Quixote, seu cavalo Rocinante e seu ajudante Sancho Pança provaram ser extremamente influentes e inspiraram diversos criadores na literatura e outras áreas artísticas ao longo dos séculos.

Em 1946, Salvador Dalí realizou diversas ilustrações surrealistas para uma nova edição do Dom Quixote.

As idéias fora da realidade do fidalgo aventureiro combinam perfeitamente com as imagens surrealistas do mestre catalão.  

 

donquixotedali

 

 

donquixotedali1 donquixotedali2 donquixotedali3 donquixotedali4 donquixotedali5 donquixotedali6 donquixotedali7 donquixotedali8 donquixotedali10 donquixotedali11 donquixotedali12 donquixotedali13 donquixotedali14 donquixotedali15 donquixotedali16 donquixotedali17 donquixotedali18 donquixotedali19

My name is Bond, James Bond.

Os filmes de James Bond me acompanham há décadas.

São ótimos filmes de ação que sempre me arrastam ao cinema independentemente de quem seja o ator, a fase do personagem ou se o roteiro está mais puxado para a aventura ou para o piadinhas infames. Se é um 007, tenho que conferir qual será o destino dado ao agente secreto ególatra, avesso à vulgaridade, amante das boas coisas da vida e que não faz nenhuma questão de esconder seu nome, profissão e para quem trabalha,  normalmente tentando seduzir a mulher mais bela do filme e zombando do vilão. 

No cinema, Bond atravessou as décadas saindo da Guerra Fria e entrando em uma nova fase da política internacional enfrentando máfias, o tráfico internacional de armas e o terrorismo. Ao longo de um filme, é certo que visitemos três ou quatro países já que o mundo inteiro é cenário para suas aventuras. O personagem se tornou um conquistador de mulheres em série desde o início e praticamente um super-herói com saídas cada vez mais mirabolantes em lutas e armadilhas.

007-Legends-logo

Os gadgets também foram se tornando cada vez mais e mais extraordinários (e inverossímeis) e, às vezes, Bond parecia ser dono do cinto de utilidades do Batman tamanha era a inventividade dos roteiristas em criar apetrechos salvadores.

A série de livros de Ian Fleming (o criador de Bond) é bem diferente: toda ancorada na Guerra Fria e com um agente secreto sempre interessado em belas mulheres mas nem sempre com suas tentativas de conquista alcançando o  sucesso, eventualmente apanhando feio de seus antagonistas, sem tantos apetrechos tecnológicos e normalmente terminando o livro em completa ruína física.  

Alguns filmes são esquecíveis, outros épicos. Alguns atores foram desgraçadamente mal escalados, outros se tornaram míticos.

Duas coisas são certas em um filme do agente 007: primeiro que a diversão é garantida; e segundo, que sempre teremos belas Bond Girls.

 

 

Dia de Ouvir: John Williams, o clássico no cinema

John-Williams

John Williams foi o responsável pelo primeiro contato de muita gente com a música instrumental.

Quando criança, foi graças aos seus temas musicais que eu descobri o que era uma orquestra. E isso da poltrona do cinema ou assistindo a fitas de video com meus heróis preferidos.

E devido a isso, anos depois comecei a me interessar em ir em concertos e ouvir os clássicos.

É meio louco  pensar que graças a Star Wars e Indiana Jones eu terminei ouvindo Mozart, Bach e Beethoven mas o caminho foi exatamente esse.

E para quem ainda associou o homem aos filmes e suas músicas, fica aqui uma pequena amostra.

 

Superman

 

Indiana Jones

 

Guerra nas Estrelas

 

Guerra nas Estrelas – Marcha Imperial

 

Tubarão

 

E.T – O Extraterrestre

 

Parque dos Dinossauros

 

Contatos Imediatos do Terceiro Grau