Arte do dia: Rembrandt, a vida de Cristo

Anúncios

Os Caravaggios templários de Malta

Visitando Malta, além do país abrasador entre a costa da África e da Europa com sua casas cor de areia e praias de pedra e azul cristalino, não deixe de visitar um dos maiores marcos dos Cavaleiros Hospitalarios na Europa, a Catedral de São João Batista, local belíssimo e onde pode-se admirar o quadro “A decapitação de São João Batista” , único quadro assinado por Caravaggio. O local também é, ao seu modo, um registro da sobrevivência dos Cavaleiros Templários e da continuação de sua tradição.

A história de Malta como entreposto de comércio e fortaleza de guerra remonta há milhares de anos. No fim da idade média a ilha foi doada pelo rei espanhol aos Cavaleiros Hospitalarios , uma ordem religiosa militar fundada nas Cruzadas após perderem sua base na ilha de Rodes.

Os cavaleiros hospitalarios surgem no Teatro das cruzadas contemporâneos aos Cavaleiros templários. Estes últimos tinham como missão a retomada militar de Jerusalém e terras sacras no Oriente médio. Aos cavaleiros Hospitalarios cumpria missões de cunho social ou médico. Surgiram quase juntas, usavam símbolos praticamente idênticos e quase se uniram durante um período.

Os templários desenvolveram-se bem além dos esquemas militares e formaram a primeira ordem religiosa de amplo alcance econômico criando um sistema de empréstimos internacionais aos Reis europeus para o financiamento de guerras e de suas cortes, além de um sofisticado sistema de controle para depósitos e saques de ouro por seus clientes em qualquer parte da Europa ou do Oriente próximo onde atuavam. Seu poder e influência rivalizam com reis e com o próprio topo da hierarquia da Igreja.

Por motivos que jamais ficaram claros e envolvidos em inúmeras lendas, a ordem dos Cavaleiros Templários foi considerada herética pela Igreja, que condenou seus membros a morte, extinguiu suas atividades e sequestrou muitos dos bens da ordem doando-os para outras agremiações religiosas em 1308. O último dos grãos mestres templário, Jaques de Molay, foi queimado na fogueira jurando vingança. Oficialmente, este foi o fim da ordem dos Cavaleiros Templários.

Na França, Reino endividado com a Ordem, seus membros foram massacrados e seus bens anexados à coroa francesa.

Na Espanha, Reino que recebia inúmeros empréstimos da Ordem Templária, todos os membros foram absolvidos e juntaram-se a outras ordens para conseguir proteção, sobretudo à Ordem dos Cavaleiros Hospitalários, com a qual já havia existido uma tentativa fracassada de união.

Muitos templários fugiram para a Escócia e ali em grande parte sua chegada mistura-se com o surgimento meio lendário da Maçonaria.

Entre as inúmeras lendas templárias está que eram seguidores de São João Batista e que tornaram-se os protetores do Santo Graal. Entre as acusações da Inquisição quando foram julgados estava a de heresia por adoração à cabeça de João Batista no lugar da adoração à Cristo.

Quando o Rei espanhol doou Malta para os Cavaleiros Hospitalarios, em 1572, a ilha foi consagrada a São João Batista. A capital da ilha foi retirada da cidade murada de Mdina (a cidade silenciosa) e transferida para Valeta onde foi construídoa uma nova Catedral em homenagem a São João Batista.

Acredita-se que os templários sobreviventes juntaram-se aos hospitalarios e fizeram sua nova sede na ilha de Malta, doada pelo rei espanhol, único Reino onde os templários foram absolvidos após a perseguição estabelecida pela Igreja e pelo Reino francês.

Corpos de inúmeros cavaleiros de outras ordens foram trazidos para serem sepultados no novo templo, provavelmente extra-oficialmente Cavaleiros Templários , já que tornou-se proibido usar o nome da Ordem. Em um dos altares da Catedral, existe uma capela dedicada ao Rei de Aragão e Castela ( o embrião do Reino Espanhol ), único rei homenageado na Catedral. No altar principal vê-se a imagem de Cristo batizado por João Batista, em local de destaque.

Mas a maior peça de arte da Catedral encontra-se em uma capela especial, da qual não se tem visão direta da nave principal. Trata-se da Capela da Decapitação, onde encontra-se o único quadro que foi assinado por Caravaggio.

O pintor buscou refúgio em Malta quando foi condenado a morte após ter assassinado um homem – há quem diga que por bebedeira outros por ter se protegido do marido de uma de suas amantes. Em Malta, Caravaggio entrou para o noviciado e foi encarregado de pintar uma obra encomendada para ser a grande atração da Capela: o evento da decapitação de São João Batista.

A escolha traz curiosos ecos das acusações de heresia dos Templários, uma vez que a acusação formal da inquisição contra os Templários foi de que eram adoradores da cabeça de São João Batista e a reverenciavam mais do que ao Cristo.

Se por implicância, despeito ou confissão, fato é que a decapitação do profeta primo de Jesus foi colocada como item máximo da coleção de arte da Catedral. Caravaggio representou a cena após o golpe fatal do carrasco, com o profeta já morto e seu executor cortando à faca os nervos do pescoço. A assinatura de Caravaggio, a única colocada em um de seus quadros, foi aposta na poça de sangue que sai do pescoço do santo.

Ao lado deste quadro encontra-se uma figura de São Jerônimo escrevendo suas cartas, também pintado por Caravaggio durante sua estadia com os Cavaleiros Hospitalarios.

São Jerônimo era o guia espiritual da ordem medieval dos cistercenses e que alguns anos após sua fundação foi anexada pela ordem dos Cavaleiros Templários.

Os dois quadros em conjunto, pintados em Malta por Caravaggio, sob proteção dos Cavaleiros Hospitalarios, trazem dois pontos principais das lendas dos Cavaleiros Templários, sendo expostos com reverência na Catedral de São João Batista em Valeta, Malta, tornando a lenda dos Cavaleiros de Cristo sempre mais interessante a cada passagem.

– por Manuel Sanchez, editor do Opinião Central e viajante nas horas vagas.

Muro de Berlim – East Side Gallery

O muro de Berlim dividiu a cidade durante a guerra fria entre o lado comunista e o lado ocidental.

Com o fim do comunismo em 1989, Berlim foi reunificada e o muro destruído.

É possível encontrar trechos do antigo muro em alguns pontos da cidade. O maior deles foi incorporado à cidade como uma área de grafites e pichações transformada em galeria de arte a céu aberto e sendo um dos pontos mais visitados pelos turistas.