Bukowski: vida estranha

Deve ser estranho viver comigo. É estranho pra mim.”
Bukowski – O capitão saiu para o almoço e os marinheiros tomaram conta do navio.

“Tudo era sinal de problemas. Lembrou-se de uma afirmação que tinha ouvido em algum lugar: Viver é um problema.”

Bukowski – Ao sul de lugar nenhum

Bukowski: má companhia

Tudo o que era mau atraía-me: gostava de beber, era preguiçoso, não defendia nenhum deus, nenhuma opinião política, nenhuma ideia, nenhum ideal. Eu estava instalado no vazio, na inexistência, e aceitava isso. Tudo isso fazia de mim uma pessoa desinteressante. Mas eu não queria ser interessante, era muito difícil.

Charles Bukowski

Hermann Hesse: inveja e perseguição

Ensinava-nos nossos professores uma matéria divertida a que davam o nome de História. Diziam que o mundo foi sempre foi dirigido, guiado e transformado por homens que souberam impor-se a si mesmos sua lei própria e romperam com as normas tradicionais.

Afirmavam que tais homens eram dignos de todo o nosso respeito. Só que isto, como todas as outras lições, era pura mentira.

Com efeito,se um de nós, de boa ou má fé, se revelava corajoso e protestava contra algum ponto do regulamento, ainda que se tratasse de mero e tolo costume ou moda, nunca era tolerado pelo mestre, nem apresentado pelos colegas como modelo. Ao contrário. Era logo punido, ridicularizado e esmagado por uma autoridade prepotente.

Hermann Hesse in Obstinação

Bukowski: a cidade e seus loucos

Existe uma verdadeira multidão, uma raça completa de pessoas malucas, famintas, bêbadas, excêntricas e incríveis. Já vi muitas delas. Sou
uma delas. Haverá mais.

Esta cidade ainda não foi tomada. A morte antes da morte é uma coisa doentia.

Os estranhos seguirão firmes,
a guerra não terminou. Obrigado.

Charles Bukowski – Pedaços de um caderno manchado de vinho