A lista – de Oswaldo Montenegro

Faça uma lista de grandes amigos,
quem você mais via há dez anos atrás…
Quantos você ainda vê todo dia ?
Quantos você já não encontra mais?
Faça uma lista dos sonhos que tinha…
Quantos você desistiu de sonhar?
Quantos amores jurados pra sempre…
Quantos você conseguiu preservar?
Onde você ainda se reconhece,
na foto passada ou no espelho de agora?
Hoje é do jeito que achou que seria?
Quantos amigos você jogou fora…
Quantos mistérios que você sondava,
quantos você conseguiu entender?
Quantos defeitos sanados com o tempo,
era o melhor que havia em você?
Quantas mentiras você condenava,
quantas você teve que cometer ?
Quantas canções que você não cantava,
hoje assobia pra sobreviver …
Quantos segredos que você guardava,
hoje são bobos ninguém quer saber …
Quantas pessoas que você amava,
hoje acredita que amam você?

Faça uma lista.

Anúncios

Dia de Ouvir: John Williams, o clássico no cinema

John-Williams

John Williams foi o responsável pelo primeiro contato de muita gente com a música instrumental.

Quando criança, foi graças aos seus temas musicais que eu descobri o que era uma orquestra. E isso da poltrona do cinema ou assistindo a fitas de video com meus heróis preferidos.

E devido a isso, anos depois comecei a me interessar em ir em concertos e ouvir os clássicos.

É meio louco  pensar que graças a Star Wars e Indiana Jones eu terminei ouvindo Mozart, Bach e Beethoven mas o caminho foi exatamente esse.

E para quem ainda associou o homem aos filmes e suas músicas, fica aqui uma pequena amostra.

 

Superman

 

Indiana Jones

 

Guerra nas Estrelas

 

Guerra nas Estrelas – Marcha Imperial

 

Tubarão

 

E.T – O Extraterrestre

 

Parque dos Dinossauros

 

Contatos Imediatos do Terceiro Grau

Guerra nas Estrelas e a Música Clássica

17310-jedi-and-sith-star-wars-2880x1800-movie-wallpaper

George Lucas deve muito do caminhão de dinheiro que ganhou com “Guerra nas Estrelas” ao talento de John Williams na composição de temas maravilhosos que acompanham as cenas dos filmes.

Ouvir a trilha sonora da série cinematográfica é um prazer a parte: repleta de trechos furiosos entremeados de amplos setores de calmaria instrumental enquanto somos docilmente carregados por estrelas e planetas em uma galáxia muito distante. Em ‘Guerra nas Estrelas”, a música é tão forte e icônica quanto os sabres de luz dos Jedis, como podemos conferir nesta magistral interpretação da Marcha Imperial tocada pela Orquestra Sinfônica de Vienna neste link.

3d_1173

Hoje temos uma tendência a imaginar a música instrumental como algo distante, focado em um público erudito e afastado do gosto popular.

Mas lendo as biografias de Beethoven, Mozart  entre outros, vemos que além de exibirem-se para um público erudito, também lotavam teatros populares; por sua vez, Tchaykovski fazia excursões pela Europa e Estados Unidos com ampla cobertura da mídia e absurdamente rentáveis.  

Quando falamos em “música clássica”, parece que ela parou no tempo e não pertence mais a nossa época. Por isso que eu prefiro o termo música instrumental ou mesmo música de concerto, porque ela continua sendo realizada – com imensa qualidade – e tornou-se instrumento essencial em filmes e séries de amplo sucesso popular, como por exemplo, na trilha sonora de Guerra nas Estrelas pelas mãos do maestro John Williams. 

A seguir, temos um vídeo do maestro conduzindo sua orquestra pelo tema principal de Star Wars, genial como sempre. E também uma visita surpresa de um determinado Lorde Sith no meio de uma apresentação sinfônica.

Aproveite e acrescente sua visita com os links para os posters de convocação para as forças do Império, os posters de propaganda da Aliança Rebelde e um vídeo do improvável mas incrível embate entre Darth Vader e um conhecido Cavaleiro das Trevas.

Dia de Ouvir: Metallica – Enter Sandman (com Orquestra)

Esse show do Metallica é simplesmente sensacional!

Gravado com a Orquestra Filarmônica de São Francisco, é mais uma demonstração de como o rock combina completamente com o som sinfônico e a certeza de que os puristas estão perdendo tempo. O futuro é a miscigenação!

 

 

E na mesma toada de gigantes do rock combinados com a música clássica, temos esse post da banda Deep Purple tocando Strauss e Beethoven.