Nietzsche: contradições da felicidade 

(…) Os homens que conheceram a profundidade da tristeza, se traem quando são felizes, têm um certo modo de compreender a felicidade que parece mostrar que querem comprimi-la e sufocá-la, por ciúmes — porque sabem que, infelizmente, essa logo fugirá.

– Nietzsche  “Para além do Bem e do Mal”

Nietzsche: crônicas são mentiras 

(…) Falar muito de si mesmo pode ser também um modo de se esconder.

– Friedrich W. Nietzsche,  “Para além do Bem e do Mal”.

Vocês já conhecem a seção de crônicas do Blog Opinião Central? Ali coloco meus textos autorais entre um tanto de verdade e um passeio na mentira. Clique aqui e conheça. 

Resenha: Aurora de Nietzsche 

Nietzsche elaborou “Aurora ” em 575 aforismos sobre a moral. Alguns tão curtos quanto 3 linhas e outros tão longos que se derramam por várias páginas.

De certa forma, “Aurora ” possui a mesma formatação de seu primo mais famoso “Humano, demasiado humano” , mas não é tão gostoso de ler. Por vezes o livro se torna arrastado e nem todos os textos possuem a força arrasadora do jab no queixo que vem com a leitura do primo famoso.

Em Aurora voltamos à eterna obsessão de Nietzsche em criticar e mostrar a estupidez dos presentes sistemas morais no qual a humanidade está mergulhada. Seus insights versam sobre a hipocrisia da religião e sobre os riscos de substituirmos um sistema baseado na fé em Deus por outro sistema baseado em uma aceitação cega na razão e no cientificismo.

Nietzsche postula a necessidade de transposição dos valores atuais e a criação de um novo tipo de homem, focado no presente, que abrace a vida, que não se deixe subjugar por promessas transcendentes de vida além túmulo ou por promessas de criar uma sociedade sem classes. Nietzsche acredita na diferença. Sua obra defende o fim da sociedade que se alicerça na moral de defesa do fraco , alerta contra a maioria ignorante que criou um mundo que premia a mediocridade e tenta calar os que se levantam contra a vulgaridade . E contra esses, o autor não poupa o chicote.

– Manuel Sanchez

 

Nietzsche: a libertação pela arte 

(…) Aqui, neste supremo perigo da vontade, aproxima-se, como uma feiticeira salvadora, com seus bálsamos, a arte; só ela é capaz de converter aqueles pensamentos de nojo sobre o susto e o absurdo da existência em representações com as quais se pode viver.”

– Friedrich W. Nietzsche, in “O nascimento da tragédia no espírito da música”.