Camus: evoluindo do rebelde solitário para a participação 

“A Peste, que eu quis que fosse lida em vários níveis, tem, porém, como conteúdo evidente a luta da resistência europeia contra o nazismo. 

Comparada com O Estrangeiro, A Peste marca, indiscutivelmente, a transição de uma atitude de revolta solitária para o reconhecimento de uma comunidade de cujas lutas é preciso compartilhar. 

Se há uma evolução de O Estrangeiro para A Peste, ela ocorreu no sentido da solidariedade e da participação.”

Albert Camus

Anúncios

Albert Camus e o homem 

“A grandeza do homem consiste na sua decisão de ser mais forte que a condição humana.”

“Um homem é mais homem pelas coisas que silencia do que pelas coisas que diz. Vou silenciar muitas. Sabendo que não há causas vitoriosas, gosto das causas perdidas: elas exigem uma alma inteira, tanto na derrota quanto nas vitórias passageiras. Criar é viver duas vezes… Todos tentam imitar, repetir e recriar sua própria realidade. Sempre acabamos adquirindo o rosto das nossas verdades.”

Albert Camus

 

O absurdo da vida. A felicidade da vida. O destino é você quem faz.

(…) A felicidade e o absurdo são dois filhos da mesma terra. São inseparáveis. O erro seria dizer que a felicidade nasce forçosamente da descoberta absurda. Ocorre do mesmo modo o sentimento do absurdo nascer da felicidade […] toda a alegria silenciosa de Sísifo está aí. Seu destino lhe pertence. Seu rochedo é sua questão.

– Albert Camus no ensaio “O Mito de Sísifo” 

Albert Camus: aqueles que amo 

(…) Amo ou venero poucas pessoas. Por todo o resto, tenho vergonha da minha indiferença. Mas aqueles que amo, nada jamais conseguirá fazer com que eu deixe de amá-los, nem eu próprio e principalmente nem eles mesmos. São coisas que levei muito tempo para aprender; agora já sei. 

– Albert Camus, em “O Primeiro Homem”

———–

Nota pessoal: acho que poucas vezes eu publiquei uma frase nesse blog que eu concordasse tanto. E agora vou ter que comprar o livro.