Arte do dia: Salomé 

O ponto de encontro das vidas de Salomé e João Batista (primo de Jesus) foi retratado inúmeras vezes nas artes.  

O historiador Josefo em Antiguidades Judaicas (ano 94 d.C) conta que Herodes Antipas havia prendido preventivamente João Batista nas masmorras do castelo devido ao crescimento da popularidade deste entre as camadas populares e o receio de tumultos políticos. Josefo não trata da morte do profeta.

No novo Testamento, conta-se que após ver sua sobrinha Salomé  dançando sensualmente em um espetáculo na corte, Herodes prometeu realizar qualquer um dos seus pedidos.  A mãe de Salomé estava recentemente casada com Herodes após ter ficado viúva do rei anterior, irmão de Herodes. Quando estava livre, João Batista criticava abertamente  o casamento chamando-os de adúlteros. Aproveitando-se da promessa feita a sua filha, a rainha pede que Salomé exija a morte de João Batista. 

Inúmeros artistas retratam a entrega para Salomé da cabeça de João Batista, servida em uma bandeja. 

Oscar Wilde tratou do tema na peça “Salomé” e abaixo temos o quadro de Caravaggio  (1610) sobre o mesmo assunto  

– Manuel Sanchez

Arte do dia: Sansão e Dalila, de Rubens 

Rubens – “Sansão e Dalila ” , 1610

Das inúmeras mitologias bíblicas essa é das mais interessantes. Sem dúvida é o meu quadro favorito de Rubens. 

O homem exausto descansando no colo da amada, a traição iminente, a escravidão, a cegueira e a destruição do templo. Tudo fica no ar quando se olha a pintura. Sansão se deixa levar pelo amor a uma mulher. Seria traição ou ela agiu por amar outros valores? Já estaria ele cego antes mesmo de ser capturado?