Sabedoria de Hamlet 

“Acima de tudo sê fiel a ti mesmo, Disso se segue, como a noite ao dia, Que não podes ser falso com ninguém”. (Cena III, ato I)

Nada em si é bom ou mau; tudo depende daquilo que pensamos.” (Cena II, Ato II)

Aquilo que prometemos no calor da paixão, acalmada a paixão, é por nós abandonado.”(Cena II, Ato II)

A todos, teu ouvido; a voz, a poucos; ouve opiniões, mas forma juízo próprio.” (Cena III, Ato I)

“O hábito, esse demônio que devora todos os sentimentos” (Ato III, Cena IV)

“Preciso ser cruel para ser bom” (Ato III, Cena IV)

“Se tem de ser já, não será depois; se não for depois, é que vai ser agora; se não for agora, é que poderá ser mais tarde. O principal é estarmos preparados, umas vez que ninguém sabe o que deixa”(Ato V, cena II)

“O resto é Silêncio” (Cena II, Ato V)

Shakespeare,  Hamlet

Shakespeare: conselhos de Polônio 

Conselhos de Polônio para o filho Laertes em Hamlet de Shakespeare (Hamlet cena III ato I) 

1) Não expressar tudo o que se pensa.

2) Ouvir a todos, mas falar com poucos.

3) Ser amistoso, mas nunca ser vulgar.

4) Valorizar amigos testados, mas não oferecer amizade a cada um que aparecer a sua frente.

5) Evitar qualquer briga, mas se for obrigado a entrar numa, que seus inimigos o temam.

6) Usar roupas de acordo com sua renda, sem nunca ser extravagante.

7) Não emprestar dinheiro a amigos, para não perder amigos e dinheiro.

8) Ser fiel a ti mesmo, e jamais serás falso com ninguém.